Síndrome do domingo à noite

Vou começar esse texto com uma frase polêmica: eu não gosto de ter que trabalhar. Sei bem o que você deve estar pensando ao terminar de ler essa declaração: que eu sou uma molenga, vagabunda, preguiçosa. Que eu vivo às custas do governo ou sou sustentada por alguém.  Mas isso não é verdade. Eu estou…

Ler mais

Nas esquinas da capital da loucura

Um homem está sentado sobre um pedaço de papelão em frente a uma lanchonete na Avenida Paulista. O cobertor surrado pendurado em suas costas ostenta manchas de gordura, lama e fluídos desconhecidos. Os cabelos grisalhos envolvem sua cabeça num emaranhado de lã grossa e suja – sua auréola profanada de santidade decadente. Seu nome é…

Ler mais