Rimas sem pé nem cabeça

A insônia vence o cansaço, a melancolia derrota a alegria. Todos estamos suscetíveis à desesperança – somos reféns da agonia. O que não podemos é sucumbir à apatia diante desta grave pandemia, em que o medo abre espaço para a negação. Quem diria! O ceticismo foi rasgado em pedaços e a fé voltou a acolher,…

Ler mais

Cardápio

Bupropiona no café da manhãDuloxetina no jantar Mato a fome de sono e sanidadecom um eventual clonazepamdebaixo da língua, conto até vinteou até trinta para funcionar de verdade. Paz. Tudo volta a brilhar. Nos dias em que nada mais funciona, um kumbaya. A cabeça flutua, há dias em que não sei bem em que dia…

Ler mais

Carnaval das palavras

Dicas de leitura para os dias de folia. O feriado se aproxima e com ele o desejo de aproveitar ao máximo os dias de ócio. Alguns se programam para viajar, outros para festejar nos blocos e pular adoidado. Outras pessoas curtem mesmo é um bom sofá e um farto cardápio de séries e filmes para…

Ler mais

Libertar-se

Ser livre, poder caminhar sem medo, pensar e falar sem meias palavras, sem melindres ou pudores. Ser como pássaro que migra, com destino certo porém sem calçadas, estradas, muros ou barreiras, apenas com asas que flutuam sem pressa. Migrar, para não perecer, e retornar com plumas renovadas. Ser o que a intuição inspira e deseja.…

Ler mais

Meu universo paralelo

** Hoje, um poema nasceu, em um post no Facebook, regado a lágrimas e inseguranças. Talvez eu esteja um pouco emotiva demais após o retorno das férias, ou por saber de coisas duras e feias. Há em mim o desejo de mudança, dores de sonhos não realizados, vidas ainda por vir. Quero escrever mais poemas,…

Ler mais

A esperança persiste

Dizem que a esperança é a última que morre, mas nem sempre foi assim para mim. Eu me prontificava a duvidar o tempo todo desse ditado popular como se não passasse de uma exagerada tentativa de confortar os pessimistas. Uma perda de tempo, um alento constantemente desfeito pela decepção. Havia em mim um excesso de…

Ler mais