Absurdos

A todo momento, em todas as notícias, nas redes sociais, só vejo absurdos. Tento não julgar, ser menos crítica, mais aberta ao outro. Não consigo. Quando o outro é a intolerância personificada, como há de prevalecer o diálogo? Vejo pessoas queridas tomando posições contrárias ao que pregam, sendo convencidas por fake news e argumentos rasos,…

Ler mais

Cardápio

Bupropiona no café da manhãDuloxetina no jantar Mato a fome de sono e sanidadecom um eventual clonazepamdebaixo da língua, conto até vinteou até trinta para funcionar de verdade. Paz. Tudo volta a brilhar. Nos dias em que nada mais funciona, um kumbaya. A cabeça flutua, há dias em que não sei bem em que dia…

Ler mais

Vai passar

Essa fase difícil vai passar. Tudo passa, tudo sempre passa. Passa como os dias em que estamos isolados, solitários, vivendo em uma bolha de preservação individual e coletiva. Como as horas que vezes se arrastam e em outras vão embora depressa. Como o medo, o rancor, o riso e a dor. Mas, e depois que…

Ler mais

Vãs preocupações

A manhã me despertou com frio e susto. O gato, impaciente, subiu na cama e fez suas exigências. Fui até a cozinha no modo automático, enchi o pote de ração, pensei em tirar mais cinco minutos de soneca, mas tive medo de perder a hora. O computador já estava ligado muito antes do horário de…

Ler mais

Oito horas por dia

Noite. Descanso, restauração, antídoto para o cansaço do dia. As luzes se apagam, o sol foge de nós, a mãe nos cobre dos pés ao pescoço para afugentar o medo dos monstros. Noite é refúgio para o corpo e a mente, é o suspiro de alívio, olho de gato piscando na porta do quarto, colchão…

Ler mais

Das coisas que vivem

Aroldo é o nome da suculenta que me faz companhia na mesa do escritório. Desconheço o nome científico e botânico dessa planta, que carinhosamente chamo de planto, mas posso dizer que ele é um pedaço de vida verde, lutando para sobreviver em um ambiente hostil. Assim como eu. Quer dizer, eu não sou verde, mas sou…

Ler mais