Rimas sem pé nem cabeça

A insônia vence o cansaço, a melancolia derrota a alegria. Todos estamos suscetíveis à desesperança – somos reféns da agonia. O que não podemos é sucumbir à apatia diante desta grave pandemia, em que o medo abre espaço para a negação. Quem diria! O ceticismo foi rasgado em pedaços e a fé voltou a acolher,…

Ler mais

Habemus pão, aleluia!

Na minha família, a comida tem um papel muito importante. É através dela que nos conectamos, que contamos histórias e criamos memórias. Os almoços, lanches, cafés e jantares – e os lanchinhos, cafés da manhã, ceias, biscoitinhos vespertinos e tira-gostos noturnos – são e sempre foram rituais sagrados de partilha. Fartura. Cores, aromas, sabores cativantes.…

Ler mais

Vãs preocupações

A manhã me despertou com frio e susto. O gato, impaciente, subiu na cama e fez suas exigências. Fui até a cozinha no modo automático, enchi o pote de ração, pensei em tirar mais cinco minutos de soneca, mas tive medo de perder a hora. O computador já estava ligado muito antes do horário de…

Ler mais

Desdobramentos

Quem diria que chegaríamos tão longe, não é mesmo? Exatamente dentro de um mês, este blog completará cinco anos de existência. São muitas as coisas que eu gostaria de dizer, diversas epifanias, publicações e inúmeros frutos colhidos desde o início dessa jornada. Ao todo, foram 130 textos publicados desde o início. Era para ser muito…

Ler mais