Cardápio

Bupropiona no café da manhãDuloxetina no jantar Mato a fome de sono e sanidadecom um eventual clonazepamdebaixo da língua, conto até vinteou até trinta para funcionar de verdade. Paz. Tudo volta a brilhar. Nos dias em que nada mais funciona, um kumbaya. A cabeça flutua, há dias em que não sei bem em que dia…

Ler mais

Vãs preocupações

A manhã me despertou com frio e susto. O gato, impaciente, subiu na cama e fez suas exigências. Fui até a cozinha no modo automático, enchi o pote de ração, pensei em tirar mais cinco minutos de soneca, mas tive medo de perder a hora. O computador já estava ligado muito antes do horário de…

Ler mais

Oito horas por dia

Noite. Descanso, restauração, antídoto para o cansaço do dia. As luzes se apagam, o sol foge de nós, a mãe nos cobre dos pés ao pescoço para afugentar o medo dos monstros. Noite é refúgio para o corpo e a mente, é o suspiro de alívio, olho de gato piscando na porta do quarto, colchão…

Ler mais

Amoras silvestres

Do lado do restaurante onde almoço diariamente, há um grande arbusto de amoras. Poucos meses atrás, no pleno frio de julho, seu aspecto era estéril, havia ali nada além de galhos secos, madeira semi-morta, uma aura de enterro, lamentos pela possível inexistência da primavera no solo seco de sua morada. Como toda planta feita de…

Ler mais

Não seremos reféns

Como é difícil existir em dias como hoje. Dias em que desejo poder imprimir sentimentos em imagens e palavras, mas sei que não terei sucesso. Como é pesado o fardo de sentir as dores do mundo e não ser capaz de abrandá-las. É pesado o fardo de se manter quieta quando se quer explodir. Ninguém…

Ler mais

Dizeres

Quero dizer que a vida é um arbusto baixo e espinhento que espreita em meio aos campos de capim-limão. Uma touceira de urtiga camuflada em uma plantação de hortelã, com seus rastros de coceira marcando em brasa a pele no verão. Quero dizer que me aborreço fácil demais com a maneira como o mundo me…

Ler mais