Meu universo paralelo

** Hoje, um poema nasceu, em um post no Facebook, regado a lágrimas e inseguranças. Talvez eu esteja um pouco emotiva demais após o retorno das férias, ou por saber de coisas duras e feias. Há em mim o desejo de mudança, dores de sonhos não realizados, vidas ainda por vir. Quero escrever mais poemas, ver mais poesia na vida – ainda que nos mundos inventados, nos reinos inexistentes. Os versos que hoje criei sem querer você pode ler a seguir. **

No meu universo paralelo, chocolate não engorda, cerveja é todo dia, livro é ferramenta, música é oxigênio e beijo e abraço são cartão de ponto.

No meu mundo invisível, é inconcebível colocar planta, vida, árvore, amor em perigo e em segundo plano.

Lá, é obrigatório sonhar e repartir.

No reino que inventei, utópico – sem governos, hierarquias ou cargos – a gente é feito de amar e sorrir.

A gente é igual, ninguém recebe chicote, fogo, chute, soco, a gente é livre e sente vontade de multiplicar. Planta, vida, árvore, bicho, amor, tudo vive com viço e sentido.

No meu universo paralelo, sinto aroma de chuva na terra seca, que faz brotar semente amarela, que faz sorrir quem se encolhe, doído.

Fora deste mundo sonhado, é tudo ao contrário.

Como faz para dar vida ao que se sonha?

Como faz para consolar tanta alma, tanta gente, tanto bicho?

No meu universo paralelo, pergunta é certeza e ninguém se sente só.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s